terça-feira, julho 13, 2010

do Amor

O amor é o amor - e depois?!
Vamos ficar os dois
a imaginar, a imaginar?...

O meu peito contra o teu peito,
cortando o mar, cortando o ar.
Num leito
há todo o espaço para amar!

Na nossa carne estamos
sem destino, sem medo, sem pudor,
e trocamos – somos um? somos dois? –
espírito e calor!
O amor é o amor - e depois?!

(Alexandre O'Neill, in
"No Reino da Dinamarca")

2 comentários:

Mariz disse...

Salvé Lourenço!

Sim, confesso que cheguei a pensar que fosse mais um tonto travestido de culto, pelos posts que apresentava...
e digo isto com toda a sinceridade que me assiste, seja a favor ou contra mim mesma.
Assim sendo, ainda não cheguei á classe - se bem que minoritária - das anorexicas - srsr - embora o meu exterior, pese apenas 50kg (mal pesados....)

Quanto: "O amor é o amor"... -
e brincando - deu-me a sensação de parafrasear o anúncio do Pingo Doce, porque também ele É, o Pingo Doce!
No caso do amor...ele só pretende ser... DOCE! - sériamente - e se possível MAIS QUE PERFEITO, como ouvi certa vez, a voz do meu silêncio interior.

Saudações fraternas
Grata pelo comentário
Sempre...
Mariz

Lourenço disse...

Bem...de tontos todos temos um pouco!

Habituei-me desde cedo a tentar ver o mundo sem os "óculos conceptuais" que nos vão impingindo à medida que crescemos; ou pelo menos faço esse esforço, se o consigo ou não já é outro assunto.

Quanto ao amor:
O amor é como uma erva daninha; se não lhe mexermos, crescerá selvagem; se o ismiuçarmos, corremos o risco de o matar: o amor é quase tudo, por isso mais vale vivê - lo do que escrever sobre ele.

O amor é o amor, e depois?...o amor é "apenas" isso e "nada mais". SIMPLES ou talvez não...

Obrigado pelo comentário.
Saudações