segunda-feira, dezembro 01, 2008

O Gene egoísta...

A vida inteligente de um planeta atinge a maioridade quando pela primeira vez compreende a razão da sua própria existência. Os seres vivos existiram na Terra sem saberem porquê durante mais de três biliões de anos. Com a teoria evolucionista fez-se um pouco de luz.
Qualquer corpo individual é apenas um veículo temporário para determinado genoma. E os genes? Bem, eles limitam-se a continuar em frente. É claro que continuam. É esta a sua profissão. Eles são os replicadores e os seres vivos as suas máquinas de sobrevivência. Quando tiverem cumprido a sua missão, serão postos de lado. Mas os genes são cidadãos do tempo geológico; os genes são para sempre...


Adaptado de "O gene egoísta", Richard Dawkins

3 comentários:

Nuno Correia disse...

Ora cá está um post bem postado! É difícil imaginar que o meu corpo é apenas um veículo de transmissão de genes, mas acredito que assim seja. Vejamos: durante a reprodução transmito metade dos meus genes "mais ou menos", porque até posso sair beneficiado se durante o crossing-over a lotaria ter beneficiado os meus cromossomas. Quer isto dizer que está consumada a minha função - transmitir genes. Ah se o filho for macho, iap, ganhei um "joker", os genes passam por inteiro, e só meus. Egoista? Não! apenas uma pequena "Escalada do monte improvável". Como é simples a evolução.

Joao disse...

Pior meu caro, é imaginar que o corpo é apenas uma pequena particula transportadora de pequenos guerreitos que se batem entre si, fazem alianças, traições, etc, e tudo sem nossa consciencia.

Lourenço disse...

Bem observado.
No entanto, Richard Dawkins defende, em partes da obra, que nós somos a única espécie - pelo seu nível intelectual - que tem condições para se "revoltar" contra esta tirania do gene.
Os outros seres vivos continuam "reféns" deste egocentrismo génico...replicam-se e "pronto". Desta perspectiva o fenótipo é um "veículo temporário" do genoma. Aquele morre, mas este segue em frente. A máquina replicadora leva larga vantagem sobre o sistema nervoso...aliás, este último é produto do primeiro!

É a vida no seu melhor.